sexta-feira, 20 de maio de 2016

Curitiba e Foz do Iguaçú, abril de 2016

                     CURITIBA E FOZ DO IGUAÇÚ-  2016


Em abril  de 2016   ( 07/04 até  15/04) visitamos  as Cataratas do Iguaçú, com  parada estratégica na ida e na volta, em Curitiba, Paraná.
Adoramos voltar à cidade,  que é sempre uma ótima opção de divertimento, e cultura. Já é nossa terceira visita.  Há tantos parques, museus, e tudo é muito organizado. O trânsito é bem melhor do que na maioria das capitais, e o transporte público é lindo e eficiente. É uma cidade humana que se preocupa com o bem estar de seus habitantes.
Desta vez, paramos no Ibis Centro Histórico, e adoramos sua localização. Quase em frente ao shopping Mueller, e a poucas quadras da praça Largo da Ordem, e do Centro Cívico, sem falar que está  localizado em uma das  partes mais charmosas da cidade, que é o centro histórico.  Na praça, visitamos a Igreja da Ordem, e o Memorial de Curitiba.

                                                     CURITIBA




Depois fomos ao  Passeio Público e Centro Cívico, visitando o Memorial Árabe.




Aproveitamos  também para ir ao museu Oscar Niemeyer, o museu do Olho. Prédio lindo e ótimo para conhecer as diferentes obras e  o desenvolvimento do trabalho de Oscar Niemeyer, além de poder conhecer  outras exposições incríveis.





Ida obrigatória é o jardim Botânico, que estava esplendoroso, neste  final de semana.



Curtimos também o bairro Batel, lindo. Fomos  até lá para assistir a uma peça teatral  no shopping  e amamos o bairro,  Chic, com restaurantes transados, e lojas de grife.


FOZ DO IGUAÇÚ

A viagem para Foz foi  longa, mas tranquila. A estrada é boa, mas com muitas curvas. e trechos onde a velocidade máxima é reduzida em função das curvas. Há 9 pedágios.

A cidade é agradável, bem cuidada, mas não tivemos muito tempo para explorar. No primeiro dia fomos ao   parque da Avese amamos. Lindo! 
Estacionamos o carro  no estacionamento do parque das Aves  que é gratuito e está a poucos metros da entrada do parque da Cataratas onde o estacionamento é pago,


Depois fizemos o lado brasileiro das Cataratas. Ponto, alto o Macuco Safari. É muito bom! Não adianta comprar as capas protetoras, vendidas na entrada, pois fica-se de qualquer maneira, completamente ensopado, mas é uma aventura maravilhosa. O melhor é ir de bikini por baixo, e ao guardar os pertences nos lockers, guarda-se também a roupa.


No outro dia, fizemos o lado argentino. Há mais trilhas e caminhadas no lado argentino para a parte alta, baixa e central, e chega-se mais perto das diferentes quedas. Fomos de ônibus, que inclui um almoço e guia. O restaurante do lado argentino, não se compara ao do lado do Brasil, é mais caro, mas de categoria bem inferior ao brasileiro. Os dois lados  são diferentes, e se complementam. Amamos ambos. É realmente  espetacular, e  merecidamente uma das Sete Maravilhas do mundo moderno.
 Ao entardecer, fomos até o marco dos 3 países. Jantamos observando o por do sol. Fantástico!



Não tivemos tempo de ir até a termelétrica ou ao Paraguai  . Há que programar mais dias, mas foi uma escapada maravilhosa.




terça-feira, 5 de maio de 2015

Japão e USA 2015

                                  Japão e USA   2015









Viagem de 07/04 até 28/04/15, visitando Tókio, Nara, Kioto, e Narita no Japão,  Chicago e Milwakee, nos Estados Unidos.


A viagem de ida foi pela  TAM, American Airlines, e Japan Airlines, e foi um sufoco pelas horas de vôo, e esperas nos aeroportos pois saímos de Floripa para São Paulo, com escala em Nova York, onde trocamos para a JAL até Tokyo. Foram ao todo 36 horas, que literalmente nos destruíram. Deveríamos ter aberto a passagem na ida, como fizemos com a volta, de forma a tornar a viagem menos cansativa. As poltronas, espaço entre cadeiras, atendentes, e serviço da JAL são muito melhores do que da AA, o que amenizou  o sufoco. O jet lag não nos pegou muito severamente apesar das 12 horas a menos, só nosso sono que ficou meio descoordenado, e ficávamos acordando pela madrugada.

TOKYO


Mega cidade, super limpa,  com um sistema de transporte ultra eficiente, parques lindos, e onde tudo funciona perfeitamente. Entretanto, o que nos encantou, sobremaneira, foi a cordialidade, e gentileza de seu povo. Apesar de muitos falarem um Inglês bem rudimentar, chegam ao extremo de sair de sua rota, parar o que estejam fazendo,  para  indicar um caminho e/ou dar uma explicação. São extremamente prestativos, e tivemos ocorrências múltiplas que confirmaram ser esta uma característica incontestável do povo japonês, além da educação e simpatia.
Ficamos hospedados no Hotel Lungwood, em Nippori que fica próximo da estação de trem Nippori, o que facilitou nossos deslocamentos pela cidade. Quarto pequeno, funcional, mas super confortável, e me encantou  detalhes de conforto, como quimono, chinelos, pente, escova de dentes, etc... além destes detalhes, o banheiro conta com uma privada com várias funções de higiene, e um tampo aquecido.  

Fantástica! Queria uma assim.....e não é só em hotéis, a maioria dos estabelecimentos comerciais, e turísticos contam com privadas assim. Há as tradicionais, orientais, no chão, mas há sempre uma ou duas, ocidentais.


Em nosso primeiro dia em Tokyo, fomos ao parque Ueno para ver as cerejeiras que floresceram na última semana de março, e que devido ao vento e chuva já estavam, em uma semana, caindo ao chão. Apesar do tempo chuvoso, curtimos muito nosso primeiro dia neste parque, totalmente deslumbrados pela variedade de cores, tamanhos, e espécies de cerejeiras que criam um todo encantador. Fiquei maravilhada! No parque há 5 museus: The Tokyo National Museum, The National Museum of Western Art, The Natural Museum of Nature and Science, The Tokyo Metropolitan Art Museum e o The Ueno Royal Museum, além de uma universidade, The University of Arts, um zoo, jardins, biblioteca e o To-eizan kan-eiji Temple.. é um parque imenso e lindo.





Depois fomos ao Shinjuku Gyoen Garden , também maravilhoso, onde vimos mais cerejeiras em flor.

 


Ficamos 5 dias em Tokyo, e deu para ter uma visão geral, mas há muito mais a ver, e levando em conta o tamanho da cidade,  resolvemos priorizar a visita aos diferentes bairros, visitando poucos templos já que pela nossa pesquisa,  em Kyoto, teríamos mais variedade, e beleza.
 Compramos, em nossa chegada, um Suica card que se mostrou bastante prático pois não precisávamos estar comprando tickets para cada viagem de subway ou ônibus, sendo o valor descontado de nosso card. O card custa 4.500,00 yens + 500 de depósito,  que é reembolsável quando da devolução do mesmo. Também compramos no Brasil o JR pass para utilizarmos em nossos deslocamentos de trem. Ótima decisão pois o custo da passagem comprada lá é bem mais cara e este é um passe somente vendido aos estrangeiros, fora do país. Na chegada, você apresenta o voucher e recebe um tipo de passaporte que você mostra ao passar pela lateral das catracas. A informação é que deveríamos ter também sempre nosso passaporte que poderia ser solicitado, mas isto nunca ocorreu. Se quiser  reservar assento, é só levar este cartão, aí sim, com seu passaporte a qualquer guichê da JR, em qualquer estação de trem, que eles emitem o ticket com lugar marcado,  Também optamos em pegar o hop on and off para ter uma visão geral da cidade. Pena que só há o áudio em Inglês e o Juan não teve como ouvir as descrições.

Locais visitados:
Skytree ( torre de metal linda)
Torre de Tóquio
Jardins do palácio imperial


Shibuya, bairro movimentadíssimo e lindo
Shinjuku- centro de diversão com Kabukicho no centro da estação de Shinjuku é um centro urbano efervescente


Asakusa- centro de diversão com teatros, rua de compras chamada de Nakamise
Ginza com suas grifes famosas e Omotesando, 
Odaiba, praia artificial na baía de Tokyo tem shopping  e áreas de entretenimento, e é lindo atravessar a Rainbow bridge à noite. Roppongi Hills completada em 2003 é um local noturno efervescente, cheio de bares e nightclubs.

Também fomos a um show noturno em um restaurante cabaret, com robots, em Shinjuku, bairro  onde a balada rola solta,  Esperava mais  do show, e achei pouco emocionante. Muitos efeitos, luzes psicodélicas, uma batida forte, mas não me tocou. O local é super bem produzido, e havia muita gente, sendo necessário reservar com antecedência.
cerimônia do chá

estação de trem  central de Tòquio


jogar a moeda e bater o sino fazendo um pedido



Em Shinjuku, há muitos bares, nightlubs, casas de karaokê, Movimentadíssimo! Nos horários de pique é impressionante  a multidão se deslocando, entrando nos subways, trens, sem se chocar.
A preocupação dos japoneses com limpeza e contaminação é visível e chama a atenção  o número de pessoas que usam máscaras. Em qualquer local sempre vai haver uma ou mais pessoas com máscaras, . Os "businessmen" vestem geralmente ternos pretos e carregam maletas. A população é esbelta, resultado de uma alimentação rica de frutos do mar, legumes, verduras e frutas, Apreciamos bastante sua comida, bem elaborada. As vitrines das lojas exibem pratos com comidas artificiais que reproduzem os pratos com perfeição, com os preços, e portanto você pode decidir entrar ou não.
Uma constante nos restaurantes é recepcionarem  trazendo uma toalhinha úmida aquecida, água e chá.
 Achamos a vida bastante cara em Tokyo, principalmente as roupas e sapatos pois  comer é possível  por diferentes preços, e há sempre alternativas bem acessíveis.
É lindo ver este povo preservando suas tradições e rituais, como o do chá, que é delicado e interessante, apesar de  seu desenvolvimento e alta tecnologia . O respeito aos mais velhos é evidente, assim como a delicadeza, educação e eficiência.  Ninguém fala ao telefone nos subways, onde é solicitado que não se fale alto ou escute música;  há , também, sinalização para você esperar os vagões, e entrar bem em frente as portas, e portanto as pessoas se posicionam em fila, sem atropelos.   Tudo funciona perfeitamente. Além disto pude observar que são  crentes e bastante supersticiosos, seguindo vários rituais para ter sorte, dinheiro, etc...



NARA

Fomos de Shinkansen ( trem bala) e é realmente super veloz e, levamos cerca de 2 horas, passando por várias cidades, inclusive Kyoto, que será nossa próxima parada.  Ficamos hospedados no Wellness Asukaji, hotel próximo ao parque de Nara. Apesar do tempo muito ruim, chovia, e estava friozinho, curtimos muito a cidade histórica, capital do Japão de 710 até 784.  O parque com veados que andam livres e são super mansinhos e seus vários templos, além do centro da cidade, com galerias bem atraentes.  O povo considera os veados como mensageiros divinos devido a uma lenda que diz que um Deus chegou a Nara em um veado branco. Os veados são tão educados que  se curvam para receber as bolachas vendidas no parque para alimentá-los.
Visitamos os templos Todaiji, Kasuga Shrine, Heijo Palace sitee o Toshodaiji temple.






kyoto 



Kyoto é uma cidade antiga que mantém suas tradições, e beleza milenar, possuindo legados históricos e tesouros,  como alguns de seus templos e santuários. Também tem muita beleza natural. Na realidade, ficamos encantados com a mistura de tradição e inovação, assim como pelos seus parques, e jardins. Ficamos hospedados no Ibis Styles Kyoto Station, super bem localizado, próximo a estação central de trem  que é linda, e super moderna, com galerias de lojas, praças de alimentação, incrível.
Visitamos o palácio imperial que ao contrário de Tokyo é aberto a visitação e foi ótimo pois a guia foi nos conduzindo e explicando os diferentes templos, salas e seu propósito; o bairro Gion, que mantém a tradição com casas de gueixas, restaurantes  típicos; Arashiyama, lindo com a bamboo forest onde  também visitamos o templo Kogenji e depois fizemos a Hozu-Gawa river boat ride, um tour eletrizante pelas corredeiras do rio de quase 16 kilometros que leva mais de 1 hora, Pura emoção pois há momentos meio apavorantes, quando passamos por pedras e águas revoltas, e outros tranquilos curtindo o cenário fantástico. Ponto alto da viagem!  O passeio começa em Kameoka e termina em Saga-Arashiyama.


 Shijo

 Fushimi Inari

Kinkakuji ( golden pavillion) lindo, Ginkakuji, Toji, o Nijo Castle, Yasaka, no bairro Gion;  Gion corner onde assistimos as cerimônias de Chado (tea), Koto( Japanese Harp). Kado ( Ikebana; Bunraku (teatro de fantoches), Super interessante, mas como é todo em japonês, não entendemos nada e foi meio monótono. Gion Corner é super interessante e típico. Também visitamos Fushimi Inari, e amamos este templo; Bairro de Shijo, onde visitamos galerias, sendo a Daimasu, chiquérrima e a Takashmata na Teramashi street, super interessante, e bem mais acessível,  super atraente. Outro local que vale a pena conhecer é o Nishiki market. Adoramos a atmosfera do lugar.


 The golden pavillion "Kinkakuji"


 Guion corner


 boat ride "Hozu-Gawa"



 Bamboo forest- Arashiyama


 Palácio Imperial


 Yasaka shrine
 Fushimi Inari


 central train station


Narita


Vindo de Kyoto,  por Shinkansen, ficamos hospedados no Narita Tobu Hotel Airport, próximo do aeroporto já que viajamos no outro dia para Chicago, e com a vantagem de ter um shuttle que te leva do aeroporto para o hotel e para o centro da cidade. O hotel super confortável com um quarto amplo e um café da manhã maravilhoso ao estilo japonês: salada, sopa, frutas estranhas, suco, cereais, ovos, café, leite etc....
 A cidadezinha de Narita é uma graça com ruelas curvas, templos lindos e um parque bem atraente. Amamos o lugar, e foi um oásis de tranquilidade e beleza.



 .
.










Deixamos o Japão com vontade de ficar mais tempo, e poder explorar outros lugares, mas  ao programarmos a viagem achamos que 12 dias seria o suficiente e ficaria muito caro permanecer mais tempo, entretanto, poderíamos ter ficado pelo menos 15 dias, o que teria  sido o ideal.
Fomos de JAL para Chicago com escala em Dallas.

 CHICAGO, USA


Com o fuso de 10 horas a menos, saímos de Kyoto dia 21/04 pela manhã, e chegamos em Chicago também dia 21, perto do meio dia. Pegamos um shuttle express para nosso apart hotel  DEWITT PLACE na De Witt 900, próximo da Michigan Avenue, e da beira do lago. Localização perfeita além de ser amplo e bem mobiliado , as atendentes falando Inglês e Espanhol, o que o Juan adorou.



 Após almoçarmos em um restaurante próximo, fomos descansar. No final da tarde fomos tomar um drink no Signature Room no John Hanckock building no 96º andar. Fantástico! Vale mais a pena do que pagar o ingresso para ir no observation deck. Conseguimos uma mesa ao lado da janela, e ficamos observando a vista fantástica de Chicago, saboreando nossos drinks.


Chicago é uma cidade muito linda pois suas construções são de uma beleza impar, misturando prédios antigos e modernos, super arrojados, vidro, ferro e aço, e de extremo bom gosto. Após o grande incêndio, como foi necessário reconstruir a cidade, utilizaram um sistema de estruturas em ferro. Um dos arquitetos famosos foi Frank Lloyd Wright. Limpa, organizada, com um sistema de transporte super eficiente, lembra New York, sendo somente mais calma, limpa e organizada, mas sem a vibração e multidão de New York.  Me pareceu mais aristocrática e snob. Galerias fantásticas, museus, parques, e restaurantes de todos os tipos e para todos os gostos e com  muitas pontes  de ferro  sobre o rio Chicago.
O diferente destas pontes é que a maioria são pontes elevadas, com trânsito de carros, trens e pessoas pois têm mais de um andar e são todas de ferro.  Há um trem elevado que faz o Loop, ou seja a volta ao redor do centro de Chicago. 
O lago Michigan com seus piers também é muito lindo. Fizemos um tour arquitetônico pelo rio e foi muito interessante ouvir sobre  as construções e influências. O único senão é o frioooooooooo. O vento gelado que sopra constante do lago Michigan torna o frio quase insuportável. Pegamos de 2 a 6 graus que para os Chicagoenses é atípico para esta época do ano que deveria estar mais quentinho, de 10 a 17 graus. Não fomos preparados para este frio e sofremos bastante tendo que comprar mais agasalhos.
Locais visitados em Chicago foram: The Kancock building, The Millenium Park com The Cloud ou The Bean, maravilhoso, as estruturas de água vertente com projeções; The Navy Pier com o Planetarium, o Shedd Aquarium, The magnificent mile,  com suas grifes famosas; The Sears tower, Willis tower, The Water Tower, The Field Museum. Visitamos também os bairros de Little Italy, Chinatown and Greek village.
Fomos a um show de jazz no Andy´s bar que foi fantástico,e curtimos para variar uma churrascaria brasileira "Fogo de Chão". O dono, gaúcho, conseguiu recriar a atmosfera e servir a carne e acompanhamentos à perfeição. Até os garçons estão a carácter.

  
 The Water Tower
 Navy Pier




 The Millenium Park

 The Cloud





Grant Park "Agora statues"


MILWAKEE, WINSCONSIN

Fomos de Amtrack para Milwakee, 1h45 minutos de Chicago. Cidade bonita. Em virtude da chuva, passamos quase que o dia no museu de Imigração. Muito lindo!








 Vamos guardar uma linda lembrança desta viagem. Muitos contrastes, ocidente x oriente e muito a refletir sobre as diferentes culturas, credos, tradições e maneira de viver.